Cultura

O mar e a Marinha têm, para os portugueses, uma dimensão cultural muito expressiva. O significado e legado histórico dos descobrimentos, do mar, e o teor cultural e técnico-naval herdado dos antepassados não têm paralelo no mundo.
« Voltar
Home » A Marinha » Cultura » Museu do Fuzileiro

Nas primeiras décadas do século XVII foi criada em Portugal uma força permanente de infantaria de Marinha que, passando por diversas reformulações, subsistiu até ao século XIX, tendo participado em diversas batalhas, nos mais variados teatros de guerra. O reconhecimento do seu valor fê-la ser nomeada guarda de elite da Família Real durante o reinado de D. João IV e a regência do Príncipe D. Pedro.

 

A necessidade da Sala-Museu dos Fuzileiros surgiu no início da década de oitenta, quando após o fecho do ciclo ultramarino, uma quantidade significativa de peças-memória foram doadas à Escola de Fuzileiros por diversas personalidades militares e civis, sobretudo antigos e atuais Fuzileiros, não existindo um espaço adequado para a preservação e divulgação deste importante património histórico e cultural.
 
Concluídos os trabalhos de restauro do piso térreo do edifício principal da Escola, que pôs a descoberto parte dos antigos fornos de biscoito, foi inaugurada, em 1984, a Sala-Museu do Fuzileiro. Anos mais tarde, entre 2005 e 2006, o espaço sofreu obras de remodelação e ampliação, tendo reaberto no âmbito das Comemorações do Dia do Corpo e da Escola de Fuzileiros, em 10 novembro de 2006.
 
A Sala-Museu gere, preserva, e expõe objetos de valor histórico relativos ao Corpo de Fuzileiros, desde as longínquas origens do Terço da Armada Real até à atualidade. No seu acervo podem encontrar-se objetos de grande simbolismo e significado na história deste corpo de Força Especial.
 
Para além do legado histórico dos Fuzileiros, o museu tem uma área alusiva ao fabrico do biscoito de mar, que era a base alimentar das guarnições das Naus e Caravelas portuguesas durante o período dos descobrimentos e da Carreira da Índia. Investigações recentes apontam para o facto de que em Vale de Zebro, naquela época, se fabricavam cerca de 300 toneladas de biscoito por ano, só para abastecer os navios portugueses.
 
Navegue na visita virtual à Sala-Museu do Fuzileiro, ou agende uma visita através do endereço eletrónico marinha.rp@marinha.pt.