Corvetas

Navio de menor deslocamento do que as fragatas, comprimento entre os 60 e 100 metros e normalmente até 1.500 toneladas de deslocamento. Possui um armamento inferior ao das fragatas e menores capacidades oceânicas. Desempenha, principalmente, missões no âmbito da segurança e autoridade do Estado no mar, e no âmbito da defesa própria e do apoio a política externa do Estado em cenários de baixa intensidade.
« Voltar
Home » Meios e Operações » Meios » Navios » Corvetas » NRP João Roby
NRP João Roby
NRP João Roby
NRP João Roby
Galeria de Imagens

Classe Baptista de Andrade

 

 Content Editor

 
​​
Características
Deslocamento 1380t
Comprimento 85m
Boca Máxima 10,3m
Calado 3,3m
Propulsão
​Velocidade Máxima 23nós​
Guarnição
Oficiais 7
Sargentos 14
Praças 50
Total 71
Armamento
1 peça de 100mm Creusot-Loire
2 peças Boffors de 40mm/70
Equipamentos
1 radar de navegação KH5000 Nucleus
1 radar de navegação Racal Decca RM 316P
Lançamento à água: 03-Jun-1973
Entrada ao serviço: 18-Mar-1975
Brasão de Armas

Brasão de armas

Partido, o primeiro de vermelho com cinco machados de prata em cabo de ouro, o segundo de vermelho com uma torre de prata aberta e iluminada de negro, acompanhada de cinco flores de liz de prata postas três em chefe e uma em cada flanco. Suposto um litel ondulado de prata com a legenda em letras negras tipo elzevir NRP JOÃO ROBY. Coronel naval de ouro forrado de vermelho.

 

Patrono

PATRONO

João Borges de Faria Machado Pinto Roby de Miranda Pereira nasceu no solar de Infias em Braga a 30 de dezembro de 1875. Frequentou o ensino secundário no liceu de Braga e depois no colégio de Nossa Senhora da Glória no Porto, tendo de seguida ingressado na Escola Politécnica.

A 7 de novembro de 1890, com apenas 14 anos ingressa na Escola Naval como Aspirante de 2ª Classe. De 1894 a 1904 voluntariou-se para várias comissões em África, onde foi distinguido por bravura.

A 20 de setembro é cercado pelo inimigo em Umpungo, dos confrontos resultaram 254 mortos e desaparecidos, dos quais 16 oficiais. Não foi possível reconhecer os restos mortais do então Primeiro-tenente João Roby, que aos 28 anos terminava a sua carreira heroica ao serviço da Pátria.

João Roby possuía diversas condecorações, todas ganhas na linha de fogo, destacando-se Medalhas de prata da Rainha D. Amélia, comemorativas das diferentes operações: Cavaleiro da Ordem de Torre e Espada e Oficial da Ordem de Torre e Espada.

O nome João Roby permanecerá sempre ao lado dos maiores e mais brilhantes vultos da História de Portugal e da Marinha portuguesa.


​​​​​