Lanchas

Navio de pequeno deslocamento (menos de 200 toneladas) e comprimento inferior a 35 metros, com armamento reduzido, destinadas a missões de segurança e autoridade do Estado no mar.
« Voltar
Home » Meios e Operações » Meios » Navios » Lanchas » NRP Orion
NRP Orion
NRP Orion
NRP Orion
NRP Orion
NRP Orion
Galeria de Imagens

Classe Centauro

 

 Content Editor

 
Características
Comprimento 27m
Boca Máxima 5,9m
Deslocamento 94t
Calado 2,8m
Velocidade Máxima 26nós
Propulsão
2 Motores Cummins KTA-50-M2 3.600hp
Autonomia 1350 milhas a 15 nós
Guarnição
Oficiais 1
Sargentos 1
Praças 6
Armamento e sensores
1 peça Oerlikon 20mm
1 radar de navegação Kodden MDC 2210
Entrada ao serviço: 27-Mar-2001
Brasão de Armas

Flâmula heráldica

Flâmula de verde com três coticas em banda, de prata, com a legenda em letras negras, NRP ORION. A parte oposta à ponta carregada com a figura mitológica que se sobrepõe à constelação de Orion, de prata, avivada a negro.

PATRONO

Orion é o nome de uma constelação. Na mitologia grega, Orion era um gigante, filho de Poseidon e de uma mortal, exímio caçador ao serviço de Artémis, e apaixonado por Mérope. Furioso com esta relação, o pai de Mérope, ajudado por Dionísio, cegou o gigante. No entanto, Orion, foi informado por um oráculo de que poderia recuperar a visão  caso expusesse os olhos aos raios do Sol nascente. Ajudado por Hefestos, Oríon cumpriu com estas instruções e recuperou a visão.​

Factos

O NRP Orion é o segundo de quatro lanchas de fiscalização rápidas, resultado de um contrato celebrado entre o Arsenal do Alfeite e a Direcção-Geral de Armamento e Equipamentos de Defesa, do Ministério da Defesa Nacional, concebidas para a fiscalização e controlo das actividades da pesca e diversas missões de interesse público.

Desde o seu aumento ao efectivo, a Lancha de fiscalização Orion tem vindo a ser empenhada em diversas missões no âmbito da segurança e autoridade do Estado no mar.

Ao abrigo de protocolos, e acordos estabelecidos, efectuou embarques regulares de elementos do Serviço Nacional de Bombeiros e de militares da Guarda Nacional Republicana.

Em 27 de Fevereiro de 2004 concluiu, nos estaleiros do Arsenal do Alfeite, um período de manutenção que incluiu a colocação de mais dois tanques de combustível, aumentando a sua autonomia.

​​​​​