Veleiros

A missão fundamental dos veleiros é proporcionar um amplo e profundo contacto com a vida do mar às novas gerações. Tem ainda como missão primária, a representação da Marinha e do País em apoio direto à ação diplomática do Estado. Portugal tem mantido a tradição da utilização de grandes veleiros como Navios-escola e Navios de Treino de Mar para complemento da formação teórica ministrada pela Escola Naval, aos futuros oficiais da Armada, e o contacto com a vida do mar à sociedade civil.
« Voltar
Home » Meios e Operações » Meios » Navios » Veleiros » NRP Polar
NRP Polar
NRP Polar
NRP Polar
NRP Polar
NRP Polar
NRP Polar
Galeria de Imagens

Características
Deslocamento 77t
Comprimento 29,9m
Boca 4,85m
Calado 2,85m
Altura de Mastro 20,25m
Área Vélica 228m2
Guarnição
Oficiais 2
Sargentos 1
Praças 4
Brasão de Armas

Flâmula Heráldica

Flâmula de ouro com três coticas em banda, de verde, filetadas a negro, com a legenda de ouro tipo elzevir NRP POLAR. Na parte oposta à ponta, carregada com uma ursa, passante, de negro.

PATRONO

O nome Polar tem origem na estrela Polar, que tem esse nome pelo facto de permanecer fixa numa posição coincidente com a projeção do eixo da terra. É utilizada, em termos de navegação, como um referencial na orientação, indicando o ponto cardeal norte. Desempenha ainda um papel importante na navegação astronómica, nomeadamente na determinação da latitude.

Factos

O Navio-Escola Polar (ex Anne Linde) foi construído em 1977 nos estaleiros Phoenix B. V., Westerbroeck, em Roterdão, teve o seu primeiro registo em Viersen (RFA) e foi usado em cruzeiros charter até 1982.

É uma réplica do famoso iate América que atravessou o Atlântico para vencer a 100 Guinea Cup, em 1851, dando o seu nome ao troféu mais cobiçado do mundo.

Em 1983 foi adquirido pela «Windjammer fur Hamburg» para ser entregue à Marinha como contrapartida pela cedência da "Sagres I".

O Polar foi  incorporado na Marinha Portuguesa em 21 de Outubro de 1983 e efetuou a sua primeira missão em Abril de 1985, depois de um longo período de fabricos, substituindo na instrução de cadetes da Escola Naval o palhabote Sirius (1876), antigo iate real que o Rei D. Luís oferecera à Rainha D. Maria Pia. Em 1910 o Sirius foi entregue à Escola Naval e em 1984 entregue ao Museu de Marinha, onde hoje se encontra em exposição, após mais de cem anos em atividade.

A bordo do Polar, os Cadetes e Aspirantes da Escola Naval têm a possibilidade de pôr em prática os conhecimentos adquiridos, especialmente nas áreas da navegação, marinharia e adaptação à vida no mar.

​​​​​
​​​​​​​