Veleiros

A missão fundamental dos veleiros é proporcionar um amplo e profundo contacto com a vida do mar às novas gerações. Tem ainda como missão primária, a representação da Marinha e do País em apoio direto à ação diplomática do Estado. Portugal tem mantido a tradição da utilização de grandes veleiros como Navios-escola e Navios de Treino de Mar para complemento da formação teórica ministrada pela Escola Naval, aos futuros oficiais da Armada, e o contacto com a vida do mar à sociedade civil.
« Voltar
Home » Meios e Operações » Meios » Navios » Veleiros » NRP Zarco
NRP-ZARCO
NRP-ZARCO-foto3
NRP-ZARCO-foto4
NRP-ZARCO-foto5
NRP-ZARCO
Galeria de Imagens

CARACTERÍSTICAS
Deslocamento 60t
Comprimento 23m
Boca 5,6m
Calado 3m
PROPULSÃO
Velocidade Máxima 12nós
GUARNIÇÃO
Oficiais 2
Sargentos 1
Praças 1
Cadetes extra-lotação cap. máx. 8 cadetes 

FACTOS


O NRP Zarco foi desenhado pelo arquitecto naval e designer holandês Peter Sijm e construído em 1983 nos estaleiros Jachtwerf Jongert BV situados em Medemblik na Holanda.

Foi inicialmente baptizado como “Pajaro” e entregue aos seus primeiros proprietários em 26 de maio de 1983. Mais tarde, em 17 de março de 1992, foi vendido e rebaptizado “Meresea III”. Em 5 de abril de 2001 foi vendido à Yacht Marine S.L. com sede na Marina de Porto Vell, Barcelona. 

No início do ano seguinte foi registado em Espanha com o nome “ Blaus VII”.
Em 14 de fevereiro de 2007, no âmbito da “operação Agrafo” de combate ao narcotráfico (em cooperação com a Policia Judiciária), o “Blaus VII” foi abordado a 100 milhas do Arquipélago da Madeira por uma equipa do Destacamento de Acções Especiais do corpo de fuzileiros da Marinha Portuguesa, lançada a partir da corveta NRP “António Enes”: A bordo encontravam-se 1500 Kg de cocaína. Nesse mesmo ano, em julho, após o estabelecimento de um protocolo de cooperação com a Policia Judiciaria, a Marinha Portuguesa ficou com a responsabilidade de assegurar a guarda e manutenção da embarcação, bem como a sua regular utilização, tendo sido transferido para a Escola Naval, para utilização provisória e manutenção como veleiro de instrução de cadetes da escola Naval em substituição do, entretanto abatido, NRP “Vega”.

 Em 3 de julho de 2015, na sequência de um protocolo estabelecido com o governo da Região Autónoma da Madeira, o “Blaus VII” foi aumentado ao efectivo dos navios da Marinha Portuguesa e rebaptizado como NRP Zarco. Para além dos embarques de instrução dos cadetes da Escola Naval o navio efectua igualmente missões no âmbito do CINAV, Centro de Investigação Naval.

​​​​​​