Page 7 - Revista da Armada

 

 

 

 

 

Page 7 - Revista da Armada
P. 7

REVISTA DA ARMADA | 524


          ambiente de interdição marítima, com uma embarcação a simu-
          lar um navio mercante, suspeito de quebrar o embargo imposto
          a Ginger  e a respetiva Zona de Exclusão, acompanhado de várias
                2
          unidades navais inimigas.
           Terça-feira  tinha  lugar  um  exercício  de  defesa  aérea  de  maior
          envergadura com o navio em postos de combate (condição geral
          1), servindo de warm-up para a guerra de 5ª feira (Weakly War).
          Neste exercício participaram sempre aeronaves do tipo Hawk e
          Falcon, quer em apoio à força (CAP ) quer como ameaça, transpor-
                                    3
          tando dispositivos de guerra eletrónica para empastelamento de
          sensores e comunicações e para simulação de mísseis. Simultanea-
          mente, treinava-se a batalha interna, com simulação de impactos
          que geravam diversas avarias, limitações e emergências médicas.
          O dia terminava com um exercício de defesa antissubmarina.
           As quartas-feiras foram caracterizadas pela realização de exercí-
          cios de marinharia e navegação, exercícios de tiro de tipo variado,
          operações de voo, incluindo operação com helicópteros do tipo                    Exercício de apoio humanitário.
          Dauphin, e a realização de um exercício de Crash-on-Deck , e, tam-
                                                    4
          bém, por séries de Force Protection, com a participação de peque-  O segundo teve lugar no dia 22 de setembro, num contexto em
          nas embarcações e semirrígidas.                     que o navio teria sido destacado para prestar apoio humanitário
           Quinta-feira era dia de operar em força, exercendo o navio as fun-  à população de Bull Point Village, localidade que ficou devastada
          ções de CTG durante todas as semanas. O dia começava com um sus-  após a passagem de um tornado, que provocou grandes danos,
          pender coordenado dos navios da força e com a saída coordenada do   vítimas e desaparecidos. O uso de figurantes com experiência de
          rio Hamoaze sob ameaça terrorista de embarcações do PGF , tendo   teatro e de um cenário bastante completo com inúmeros detalhes
                                                     5
          o navio a responsabilidade de coordenar as medidas de Force Protec-  levaram a guarnição a adotar um sentido de urgência similar ao
          tion da força, de forma a defender a High Value Unit (HVU).   real, mesmo sabendo tratar-se de um exercício. A série contou
           O cenário inicial da Weakly War alternou entre o canal rocegado,   ainda com um treino de Relações Públicas dedicado.
          em que os navios da força transitavam sob a ameaça de minas em
          águas confinadas, e o Choke Point, destinado a simular uma situa-  ANYTIME, ANYWHERE F332
          ção de águas muito confinadas em que os navios tinham de pro-
          teger a HVU sob ameaça aérea. Após este cenário inicial, a força   No último dia do POST17, após a inspeção final, teve lugar o
          efetuava  um  trânsito  em  ambiente  multiameaça,  com  ataques   discurso final do FOST à guarnição, tendo este salientado o bom
          simultâneos de aeronaves transportadoras de mísseis e de bom-  desempenho do navio, caracterizado pela determinação e espí-
          bas, de submarinos equipados com torpedos e mísseis de super-  rito  de  corpo  e  de  combate  da  guarnição  (remarkable perfor-
          fície e de unidades de superfície equipadas com mísseis de longo   mance). A motivação da guarnição e uma atitude muito positiva
          alcance. De salientar que as ordens de batalha inimigas  empre-  e combatente foi sempre a grande marca e imagem do Navio
                                                    6
          gues durante as 4 semanas de mar alternaram entre as duas mais   perante os complexos desafios do exigente programa de treino
          complexas num conjunto de cinco possíveis.          conduzido.
           As sextas-feiras, apesar de a semana já ir longa, eram destina-  O  treino  concretizado  não  poderá  ser  encarado  como  o  fim,
          das às grandes séries, em que a guarnição conseguiu encontrar no   mas  sim  como  o  início  de  um  período  operacional  exigente  e
          cansaço a força e resiliência para ultrapassar um último desafio   durante o qual o navio terá de manter as perícias e qualificações
          antes de iniciar o fim de semana, algo que só foi possível com um   atingidas.
          elevado espírito de corpo, sacrifício e camaradagem.   Com a conclusão do POST, o NRP Corte-Real está certificado e
           Desta forma, foram realizados um grande incêndio em espaço de   pronto para cumprir todas as missões que fazem parte do seu
          máquinas a navegar (F4), o Ship Protection Exercise (SPE) – exercí-  conceito de emprego operacional, em particular, a atribuição à
          cio de defesa própria contra ameaça terrorista – e o Disaster Relief   NATO Response Force (NRF)/Standing NATO Maritime Group One
          Exercise (DISTEX), respetivamente, nas três primeiras semanas da   (SNMG1) e EUROMARFOR, prevista para 2018.
          fase de mar. O quarto grande exercício de maior complexidade,   Na  missão  participaram  194  militares  (21  dos  quais  do  sexo
          encalhe/colisão  (F7),  foi  realizado  na  segunda-feira  da  última   feminino),  incluindo  um  destacamento  de  Helicópteros,  uma
          semana de mar.                                      equipa de Fuzileiros e outra de Mergulhadores.
           Os exercícios SPE e DISTEX constituíram uma experiência única,                                     
          face aos meios envolvidos pelo FOST e ao realismo proporcionado       Colaboração do COMANDO DO NRP CORTE-REAL
          pelos mesmos. Ambos exigiram um rigoroso e detalhado planea-
          mento por parte do navio ao longo das semanas antecedentes.
           O primeiro ocorreu no dia 15 de setembro, num cenário em que   Nota
          o navio teve de atracar em Freeport  para efetuar um período de   1  Pre-OST Liaison Visits
                                     7
                                                                 De acordo com o cenário geopolítico jogado no FOST, Ginger e Brownia são dois
          reparações, existindo informação da possibilidade de ocorrência   2 países em tensão que fazem parte de uma região denominada Britanica.
          de ações terroristas no porto. Com ligação às autoridades locais   3  Combat Air Patrol
          e  através  do  reforço  do  dispositivo  de  segurança,  empregando   4  Simulação de queda de helicóptero no convés de voo
          toda a guarnição, o navio defendeu-se de diversos tipos de ata-  5
                                                                 Pro-Ginger Front – organização terrorista que opera no território de Brownia a
          ques, nomeadamente, de grupos terroristas organizados em terra   favor da ocupação por Ginger.
          e de embarcações suicidas. O exercício terminou com a retração   6  Conjunto de meios aéreos, de superfície e sub-superfície inimigos
          da equipa de segurança (composta por militares fuzileiros) para   7  Freeport é uma cidade fictícia jogada no cenário do FOST, sendo a capital de Brownia.
          bordo e a largada (simulada) do navio.


                                                                                                 DEZEMBRO 2017  7
   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12