Revista da Armada - page 8

MARÇO 2015
8
REVISTA DA ARMADA
|
494
Ainda nessa tarde, foi recebida a visita a bordo do Primeiro-mi-
nistro da República de Cabo Verde, Dr. José Maria Neves, com larga
e distinta comitiva, tendo sido recebido pelo comandante do na-
vio, na companhia do adido de defesa na Praia, CMG Pinto e Lobo,
e do embaixador naquela cidade, Dr. Homem de Lucena. Esta visita
ilustra bem o interesse que despertou a presença do navio junto
das autoridades locais e dos órgãos de comunicação social, que fo-
ram presença assídua durante a missão.
Estando previsto inicialmente o embarque do Presidente da
República de Cabo Verde, Dr. Carlos Jorge Fonseca, para se fazer
deslocar à ilha do Fogo, foi decidido que o CALM Silvestre Correia
acompanharia a visita daquela alta entidade, em representação
do GEN CEMGFA. O CALM Silvestre Correia embarcou no dia 4
de dezembro, tendo permanecido a bordo até ao dia 6, acompa-
nhando a atividade do navio.
No seu trânsito para a ilha do Fogo o navio transportou dois téc-
nicos da ONU (
Disaster Assessment and Coordination
– UNDAC) e
outros dois técnicos do mecanismo europeu de proteção civil, que
se encontravam em apoio aos dois primeiros.
AS OPERAÇÕES NO TERRENO
À chegada à Ilha do Fogo, durante a manhã do dia 4 de de-
zembro, o navio permaneceu ao largo do porto de Vale de Ca-
valeiros, tendo embarcado de imediato uma delegação com
os principais elementos do serviço de proteção civil no local,
contando ainda com a presença da Ministra da Administração
Interna, Dra. Marisa Morais, com os quais foi possível definir
as tarefas para o navio e atribuir prioridades ao material a de-
sembarcar. O CALM Silvestre Correia pôde fazer um périplo
pela ilha do Fogo, tendo como anfitriã a Senhora Ministra, tes-
temunhando o impressionante fenómeno e os efeitos da sua
ação nas povoações afetadas na Chã das Caldeiras e a resposta
vigorosa e organizada do serviço de proteção civil. Os milita-
res do navio que acompanharam esta visita aproveitaram para
fazer um importante trabalho de reconhecimento que permi-
tiu, mais tarde, organizar o apoio ao centro de deslocados de
Monte Grande.
No dia 4 de dezembro o
Garfield
descolou rumo à Ilha do
Fogo com a tarefa de fazer recolha de imagem e vídeo da
zona desde Mosteiros, voando por norte da Ilha até à cidade
de São Filipe.
Após este voo inicial, no dia seguinte o
Garfield
descolou
novamente para mais um voo de reconhecimento. Desta feita
a bordo seguiu uma vulcanóloga do Instituto de Vulcanologia
das Canárias, com o objetivo de tentar, através de uma câmara
de imagem térmica, recolher dados relativos ao fluxo de lava,
bem como da quantidade de dióxido de enxofre. Infelizmen-
te, por limitações meteorológicas não foi possível alcançar o
resultado desejado.
Para além dos voos de reconhecimento efetuados, o
Gar-
field
foi prontamente chamado a responder à solicitação da
Embaixada de Portugal na cidade da Praia, descolando pelas
09h50 do dia 6 de dezembro, com destino ao aeródromo de
São Filipe, para embarcar uma cidadã portuguesa grávida de
sete meses e os seus dois filhos de treze e quatro anos com
destino à cidade da Praia, de onde seguiram para Lisboa.
● 
Equipa médica
A avaliação inicial das condições médico-sanitárias e apoio
necessário feita pelo médico do navio e pela psicóloga junto
dos centros de deslocados de Monte Grande, Chã das Furnas
e Mosteiros, permitiu rapidamente definir o centro de Monte
Grande como local prioritário para projetar, a partir do navio,
uma equipa de apoio. Nesse sentido, a equipa de saúde auxiliou
as autoridades locais de modo a efetuar a triagem dos desloca-
dos, estabelecimento de prioridades médicas na assistência e
coordenação ao nível dos apósitos médicos. De igual modo foi
possível fornecer cuidados de saúde primários e de enferma-
gem à população.
A presença no terreno de uma psicóloga permitiu efetuar a
identificação e avaliação dos indivíduos mais expostos ao inci-
dente crítico e a necessitar de intervenção psicológica imediata;
em estreita colaboração com a psicóloga cabo-verdiana presen-
te, foram desenvolvidos protocolos de triagem para identifica-
ção das pessoas com necessidades mais imediatas, tendo sido
1,2,3,4,5,6,7 9,10,11,12,13,14,15,16,17,18,...36
Powered by FlippingBook