Meios da Marinha e da Força Aérea no maior exercício militar no Golfo da Guiné
Notícia

Portal da MarinhaPortuguês (Portugal)Media CenterNotíciasMeios da Marinha e da Força Aérea no maior exercício militar no Golfo da Guiné
A aeronave P-3C CUP+, da Esquadra 601 - "Lobos" da Força Aérea portuguesa e a fragata “Álvares Cabral”, da Marinha portuguesa, participam, de 8 a 23 de março, no maior exercício militar aeronaval internacional no Golfo da Guiné, o OBANGAME EXPRESS 19, com o objetivo de promover a segurança marítima na região.

07 de março de 2019, 19:36

​​

A aeronave da Força Aérea, com um total de 36 militares empenhados, participa na edição anual do OBANGAME EXPRESS entre 8 e 12 de março a partir da República de Cabo Verde e entre 12 a 22 de março a partir de São Tomé e Príncipe. A fragata “Álvares Cabral”, atualmente em missão em Angola com 159 militares embarcados, juntar-se-á mais tarde, a sul da Nigéria, durante o período entre 15 a 20 de março.

Este exercício tem como principal objetivo promover a segurança global na região, através da cooperação entre todas as forças e unidades dos países participantes e a partilha de informação no domínio marítimo entre os diversos centros de operações marítimas no Golfo da Guiné, destacando-se a participação de meios de 19 países africanos (Angola, Benin, Camarões, Cabo Verde, Congo, Costa do Marfim, Gabão, Gana, Guiné, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Libéria, Marrocos, Nigéria, Senegal, Serra Leoa, República Democrática do Congo, São Tomé e Príncipe e Togo).

A capacitação dos países do Golfo da Guiné, em concreto na área da segurança marítima e do combate às atividades ilícitas no mar, onde se destaca o combate contra a pirataria, o narcotráfico e a delapidação abusiva dos recursos marinhos, bem como a proteção das bases de exploração petrolífera existentes na região, são outros dos grandes objetivos deste exercício militar conduzido pelo Comando Africano dos Estados Unidos (United States Africa Command - U.S. AFRICOM).

Relembra-se que no Golfo da Guiné situam-se 4.000 milhões de metros cúbicos de reservas de gás natural e é onde tem origem cerca de 50% da produção de petróleo do continente africano, representando 10% da produção mundial, estimando-se que desde 2013 são perdidos por dia 40.000 barris devido a atos de pirataria ou roubo.

Salienta-se também que aproximadamente 40% do volume de peixe capturado nas águas da África Ocidental são provenientes de pesca ilegal, representando uma perda anual de mais de 1,5 milhões de dólares para os Estados da região.​


Partilhar

Conteúdo