Costa portuguesa como pano de fundo para investigação com veículos não tripulados
Notícia

Portal da MarinhaPortuguês (Portugal)Media CenterNotíciasCosta portuguesa como pano de fundo para investigação com veículos não tripulados
Dezenas de veículos autónomos vão operar ao longo da Península de Tróia e na zona de Sesimbra, entre os dias 11 e 27 de setembro, durante a 10ª edição do exercício Recognized Environmental Picture (REP).

10 de setembro de 2019, 22:30

​​​O REP é um dos maiores exercícios de experimentação de sistemas marítimos não tripulados da Europa e é organizado pela Marinha Portuguesa, pelo Laboratório de Sistemas e Tecnologia Subaquática da Universidade do Porto (FEUP) e pelo Centre for Maritime Research and Experimentation (CMRE) da NATO.

A presente edição é realizada no âmbito da iniciativa Maritime Unmanned Systems (MUS) da NATO e, como tal, recebe a designação REP(MUS).

 

Este exercício tem como objetivo avaliar o estado da arte na área dos sistemas de veículos não tripulados em rede, através de desempenhos de larga escala. Durante mais de duas semanas serão desenvolvidos e avaliados os conceitos operacionais e testados os novos avanços tecnológicos, procedimentos e táticas relativamente a veículos não tripulados da Marinha, de países aliados e de outras entidades parceiras, envolvidos em cenários reais de operação.

 

Toda a ação decorre segundo planos de missão específicos, delineados em função dos requisitos de cada cenário operacional. A Marinha Portuguesa vai participar através da fragata Álvares Cabral, o navio patrulha Figueira da Foz, os navios hidrográficos Almirante Gago Coutinho e D. Carlos I, a lancha hidrográfica Andrómeda, a lancha de fiscalização Pégaso, o submarino Tridente, um Destacamento de Mergulhadores Sapadores vocacionados para a guerra de minas, uma força de Fuzileiros e o Destacamento de Ações Especiais. No total estarão empenhados mais de 850 militares e civis da marinha portuguesa e de 10 países aliados e amigos.

 

O REP tem mantido uma periodicidade anual desde 2010, aumentando, a cada ano, o número de empresas nacionais e multinacionais que integram, em Portugal, um exercício experimental que visa o avanço tecnológico no sistema de veículos não tripulados, obtendo resultados tangíveis não apenas no plano tecnológico e científico, mas também no âmbito da Segurança e Defesa.​


Partilhar

Conteúdo