Fragata da Marinha portuguesa inicia missão de escolta a porta-aviões francês
Notícia

Portal da MarinhaPortuguês (Portugal)Media CenterNotíciasFragata da Marinha portuguesa inicia missão de escolta a porta-aviões francês
A fragata “Corte-Real”, da Marinha portuguesa, iniciou ontem, dia 27 de fevereiro, a navegação em direção ao mar Mediterrâneo, para integrar a missão de escolta ao porta-aviões francês “Charles de Gaulle”, com duração de 20 dias. O navio da Marinha juntar-se-á ao porta-aviões francês em Toulon, no próximo dia 4 de março.

27 de fevereiro de 2019, 15:40

​​A “Corte-Real” terá como missão contribuir para a proteção antissubmarina do porta-aviões durante o período de permanência no mar Mediterrâneo, numa operação que visa contribuir para o esforço de segurança internacional, em especial nas principais artérias por onde passa grande parte do tráfego marítimo mundial, estreitando simultaneamente o relacionamento militar com a Marinha francesa.

De março a julho de 2019, França empenhará o porta-aviões “Charles de Gaulle” numa missão operacional, com um grupo aéreo embarcado, estando planeado navegar no mar Mediterrâneo, no Mar Vermelho, no Oceano Índico e na região da Ásia-Pacífico.

Durante este período será constituída uma força naval (“Task Force 473”), comandada pelo contra-almirante Olivier Lebas, da Marinha francesa, de que fará parte o navio da marinha portuguesa, mas que contará também com a participação prevista de outros navios escoltas europeus, da Dinamarca, Itália e do Reino Unido, mas também da Austrália e dos EUA.

Para além da robusta capacidade militar de prevenção e de intervenção, em caso de necessidade e em qualquer ponto do globo, o “Charles de Gaulle” também realizará ações de cooperação bilateral com a maioria dos países parceiros ao longo das áreas geográficas por onde vai passar, durante o período de emprego operacional.

A integração de navios das nações aliadas no contexto do compromisso conjunto para a segurança internacional, em particular de Portugal, tem como objetivo otimizar as capacidades do porta-aviões francês “Charles de Gaulle”, além de reforçar a interoperabilidade entre as marinhas aliadas.

A bordo da fragata “Corte-Real”, comandada pelo Capitão-de-fragata Coelho Gomes, seguem 197 militares, com helicóptero Lynx MK-95 embarcado e o respetivo destacamento de operação, uma equipa de fuzileiros e uma equipa de mergulhadores.​


Partilhar

Conteúdo