Navio patrulha “Figueira da Foz” vai treinar “guerra de minas” no Mediterrâneo
Notícia

Portal da MarinhaPortuguês (Portugal)Media CenterNotíciasNavio patrulha “Figueira da Foz” vai treinar “guerra de minas” no Mediterrâneo
O navio patrulha oceânico “Figueira da Foz”, da Marinha Portuguesa, partiu esta madrugada da Base Naval de Lisboa para participar no exercício SPANISH MINEX 19, realizado no âmbito da primeira ativação deste ano da força naval europeia EUROMARFOR, de que fazem parte ainda Espanha, França e Itália. O navio da Marinha chega a Maó, na Ilha Menorca, Baleares, no próximo dia 27 de abril, permanecendo no Mediterrâneo Ocidental até ao próximo dia 13 de maio. Esta Força marítima europeia é ativada especificamente para o cumprimento de missões ou operações navais, aéreas e anfíbias.

24 de abril de 2019, 15:08

O SPANISH MINEX é um exercício anual organizado pela Marinha espanhola, cujo objetivo é pôr em prática os procedimentos comuns para a defesa de portos contra a ameaça de minas e providenciar segurança aos navios mercantes.

A Força naval será constituída pelo navio “Figueira da Foz”, mergulhadores do Destacamento de Guerra de Minas e militares de apoio ao comandante do grupo tarefa EUROMARFOR, num total de 65 militares.

A missão de cada participante é manter as águas livres da ameaça de minas, harmonizando procedimentos e incrementando o grau de interoperabilidade com as restantes marinhas aliadas. As minas usadas neste exercício internacional são simuladas por dispositivos submarinos inertes amigos do ambiente que serão recolhidos quando a missão terminar.

Portugal assumiu a partir de 19 de setembro de 2018, por um período de dois anos, o comando rotativo da EUROMARFOR, atualmente comandada pelo Vice-almirante Gouveia e Melo, Comandante Naval da Marinha Portuguesa. Esta força naval multinacional é ativada especificamente para o cumprimento de missões ou operações navais, aéreas e anfíbias, podendo, num curto espaço de tempo, constituir-se como uma força pronta para atuar e ser empregue em missões humanitárias e de salvamento, manutenção da paz, de combate em gestão de crises e restabelecimento da paz.​

Fonte: EMGFA​

Partilhar

Conteúdo